Sábado, 20 de Outubro de 2018

Mato Grosso
Quarta-Feira, 10 de Outubro de 2018, 09h:53

ALMT

Réu e investigado, Eduardo Botelho já articula reeleição para a mesa diretora

Cícero Henrique

Reprodução/ALMT

Eduardo Botelho (DEM)

O deputado Eduardo Botelho (DEM) sonha com a reeleição para presidente da mesa diretora da ALMT no biênio 2019-2020.

O parlamentar foi eleito presidente da mesa para a gestão 2017-2018 com apoio do governador Pedro Taques (PSDB), fato declarado publicamente pelo próprio Botelho.

Embora os parlamentares neguem, a eleição da mesa diretora envolve negociação de cargos. O posicionamento do governador eleito Mauro Mendes (DEM) influirá decisivamente na composição da próxima mesa.

O que sempre se comentou, nos bastidores, é que a eleição da mesa custaria caro, sobretudo logo após a campanha eleitoral. A suposta compra de votos nas eleições internas na ALMT nunca foi investigada pelo Ministério Público. Outra suposta moeda de troca é a indicação de parlamentares para cargos não só no governo, mas também no TCE.

As articulações para eleição da mesa diretora precisará do apoio dos 14 novos deputados, e terá ainda a provável candidatura da deputada Janaína Riva.

A composição da próxima legislatura está composta assim:

MDB - Janaína Riva (campeã de votos), Thiago Silva e Dr. João (3)

DEM - Eduardo Botelho e Dilmar Dal Bosco (2)

PSC - Sebastião Rezende e Xuxu Dal Molin (2)

PSL - Delegado Claudinei e Silvio Favero (2)

PT - Lúdio Cabral e Valdir Barranco (2)

DC - Elizeu Nascimento e Ulysses Moraes (2)

PSDB - Wilson Santos e Guilherme Maluf (2)

PV - Dr. Gimenez e Faissal (2)

PSB - Max Russi e Dr. Eugênio (2)

PSD - Nininho (réu na operação Dèja Vue) (1)

PRB - Valmir Moretto (1)

PP - Paulo Araújo (1)

PDT - Professor Allan Kardec (1)

PROS - João Batista do Sindispen (1)

Investigações

Botelho foi reeleito deputado estadual com 33.788 votos, o quarto mais votado, apesar de ser réu na operação Dèja vue, que apura supostas fraudes em notas fiscais para prestação de contas referentes a pagamentos de verbas indenizatórias entre 2012 e 2015, simulando compra de itens como materiais de papelaria e insumos de informática. São réus na mesma ação o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), os deputados estaduais Ondanir Bortolini (PSD- reeleito) o Nininho, Wancley de Carvalho (PV), Zeca Viana (PDT) e o deputado federal Ezequiel Fonseca (PP).

Botelho também foi alvo da operação Bônus, desdobramento da Operação Bereré, que apura desvio de R$ 30 milhões do Detran-MT. O MP chegou a pedir seu afastamento da presidência, indeferido pelo desembargador José Zuquim Nogueira. 

O parlamentar também foi citado na delação premiada do ex-governador Silval Barbosa. 

 

 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO